Interpretação

Pessoal

Interpretações, Significados e Análises de Letras de Músicas

A Via Láctea

      Acho que todo fã do Renato Russo conhece e sabe o significado da música A Via Láctea. Fala sobre a melancolia de esperar sozinho pela morte, sobre uma época na qual a Aids já havia consumido o Renato. Mas as músicas que aquele cara escrevia eram tão incrivelmente perfeitas que até mesmo essa canção, que é de simples entendimento, acaba oferecendo sempre muito mais coisa para se interpretar.

     A Via Láctea fala de coisas que vão além da morte em si, como a reação que o outro tem ao ver o próximo numa situação difícil.
     As pessoas precisam entender que ninguém quer ser consolado quando está triste. A regra é clara: se você está triste e se sente bem ao ser consolado por uma outra pessoa, você não está triste de verdade, está simplesmente magoado com alguma coisa. Quando se está verdadeiramente triste, você quer aproveitar a tristeza, viver a tristeza. Era isso o que Renato queria que entendessem. Não insistam em querer amenizar a situação. Sim, realmente existe sempre uma saída ou uma luz para tudo na vida. Na vida!
     Para tudo na vida há solução, menos para a morte. Suponho eu que era isso o que Renato queria nos passar no início dessa canção. Enquanto todos ao ser redor insistiam em encontrar soluções, Renato sabia que aquilo era em vão, pois a tristeza não passaria assim tão fácil e apenas findaria na morte. E a morte estava perto. Ele cita a febre, sintoma da Aids, sintoma do fim chegando cedo. Não há saída pra isso. Só o que se pode fazer é esperar chegar a noite, quando tudo faz sentido e não escutam seus gritos, olhar pela janela e ver cada estrela, cada pessoa morta transformada em estrela, como uma lágrima.
     Melancolia. Renato Russo, definitivamente, assim como eu, era melancólico. Não que isso seja ruim, mas às vezes atrapalha. Renato deve ter escrito A Via Láctea num dia extremamente triste, por isso nos relata a sua boba melancolia e nos diz não querer ser assim. Ele queria simplesmente deixar correr intensamente os dias que lhe sobram, sem se importar com nada, com os outros, aproveitar a sua vida. Mas como? Como fazer isso se, de certa forma, isso tudo lhe pareceria muito falso?
      É um questionamento interno: ser assim tão realista ou enveredar-se pelos caminhos da utopia e viver num mundo onde a primeira vez é sempre a última chance? E isso nos leva a crer também que toda a canção é um questionamento próprio do Renato com ele mesmo. Ele dizia a si mesmo que haveria solução e ele mesmo não conseguia acreditar nisso.
      Por ora, ele deixava todos os questionamentos de lado. Afinal, amanha tudo muda outra vez. Tudo passa, tudo passará. Nem ele mesmo entende a razão de toda essa tristeza, todo esse desacreditar na vida. Talvez seja apenas os sintomas da morte que vem chegando: a febre, o sorriso desacreditado. Mas, está tudo bem, ele não precisa que se incomodem com ele. Renato apenas agradece a preocupação.
     Então, Renato Russo, ao fim dessa canção, volta a cantar os primeiros versos. Quando tudo está perdido, sempre existe uma luz. Quando tudo está perdido, sempre existe um caminho. E ainda acrescenta: Quando tudo está perdido, eu me sinto tão sozinho. Quando tudo está perdido, não quero mais ser quem eu sou.
     Pronto, esses últimos versos resumem toda a música. Renato não os canta com o mesmo significado do início da canção. Aqui ele não mais se refere a uma tentativa de consolo que alguém tem para com ele, ou ele mesmo tem para si. Ele fala de uma conclusão. "Quando tudo está perdido..." refere-se ao momento que vive, a morte. Enquanto espera pela morte, Renato se sente só, por isso a melancolia. E pela melancolia, ele não quer ser quem é. Quando tudo está perdido, existe uma luz, um caminho. E esse caminho é a Via Láctea.
     Para os Maias, "a via láctea era a estrada mística através da qual as almas seguiam para o submundo dos mortos". O que Renato descobriu e nos passou é que, de certa forma, a morte não é um problema. Muito pelo contrário, às vezes, a morte é a solução.
Sobre a Autora:
Thamirys PereiraThamirys Pereira tem catorze anos, é aluna do curso integrado ao ensino médio de Controle Ambiental no IFPB e idealizadora do Blog Interpretação Pessoal.

Continue lendo sobre Thamirys Pereira ou Sobre o Blog Interpretação Pessoal.

# Compartilhar

    Blogger Comentario
    Facebook Comentario

3 comentários:

  1. concordo contigo e com renato, "a morte não é um problema", mas em determinadas situações pode virar um problema... Thamyris, no que eu acredito, a morte é uma passagem, e é inevitável, e vira um problema se não cumprimos a nossa parte aqui... a morte é uma continuação da vida, e se nossa vida aqui foi "parada"(e todo significado que essa palavra tiver), vira um problema, você não se preparou para outros desafios em outro lugar, você desistiu desse "mundo difícil e decepcionante"( na situação do mesmo desistir de viver), você não aprendeu e fez diferente quando errou, você não cresceu... então pra mim," faça seu melhor aqui, por que a morte é só uma passagem, e o aprendizado não para por aqui...". não conheço a biografia do renato como você, mas eu creio que ele marcou muita gente com sua teoria e canções, sendo apenas isso, tenho a certeza que ele lutou para fazer sua parte aqui, "crescer"!!!

    claro, podemos ter lógicas diferentes, mas é só minha teoria. adorei a interpretação Thamyris Pereira, como a maioria que vejo no seu blog!!! (Anderson Santos)

    ResponderExcluir
  2. Anderson, meu amor, então você realmente lê, não é? Teorias por teorias, eu acho que confio mais nas suas do que nas minhas. Aliás, neste caso, acho que a minha se iguala à sua. A morte não é, nunca foi e nunca será problema. E Renato sabia disso, tanto que fez dela a solução.
    Beijos, meu bem! Continue comentando, isso me inspira!

    ResponderExcluir
  3. Muito bom. Não sei porque não tinha lido essa ainda...

    Já via a canção desta mesma maneira, quase as mesmas palavras.
    O legal das músicas do Renato é que não existe aquela de "não concordo com o que ele está dizendo" porque ele coloca não o pensamento em si, em certos tipos de canções como esta, mas coloca o sentimento que está cravado dentro dele. Se você já sentiu aquilo ou Está Passando por aquilo No Momento em que ouve a canção você se sente totalmente compreendido por ele. Ele dizia que achava muito legal além de sentir algo fazer com que as pessoas sintam também atravéz das canções.
    A visão (talvez exata) desta música não é "tãão" difícil de se achar. Provavelmente ele fez isso de maneira intencional para dar mais liberdade para todos sentirem com ele.

    Abraços.

    ResponderExcluir

-Todos os comentários estão sujeitos à moderação da administração do Blog Interpretação Pessoal;
-Para ter seu comentário publicado sem maiores problemas, recomendamos que leia a Política de Comentários do nosso blog.