Interpretação

Pessoal

Interpretações, Significados e Análises de Letras de Músicas

Cuide bem do seu amor, d'Os Paralamas do Sucesso

     A quinta faixa do primeiro disco d'Os Paralamas do Sucesso após o acidente de janeiro de 2001 (Longo Caminho, de 2002) é Cuide bem do seu amor, uma música que me parece mais um conselho e até mesmo uma ordem: Cuide bem do seu amor!
     E para que todos percebam que interpretar uma letra é manipular (positivamente ou não) palavras, neste artigo desenvolverei duas linhas de interpretação. A primeira estará escrita em azul e a segunda, em vermelho.
    "A vida sem freios me leva, me arrasta, me cega no momento em que eu queria ver. O segundo que antecede o beijo. A palavra que destrói o amor. Quando tudo ainda estava inteiro, no momento em que desmoronou."
     Nessa primeira estrofe, o eu lírico diz que a vida o cega em certos momentos. E dá exemplos desses momentos: o segundo que antecede o beijo (é comum o ato de fechar os olhos antes de um beijo), a palavra que destrói o amor, o momento em que desmoronou. Essas frases nos leva a crer que o tema principal da canção é o fim de um relacionamento amoroso.
     O eu lírico não conseguiu, como muitos, enxergar o fim do seu relacionamento. Estava cego. Estava cego demais, apaixonado demais para perceber as palavras da outra pessoa, que dizia que não mais o amava. Cego e apaixonado demais para perceber quando o seu relacionamento (que, para ele, ainda estava inteiro) desmoronou.
     Na primeira estrofe dessa música, que nos narra o fim trágico de um relacionamento, após a morte de um dos seus integrantes, já podemos perceber "provas" dessa teoria. O eu lírico diz que a vida o leva, o arrasta, o que nos faz pensar que, assim como a pessoa amada, queria estar morto, e não sendo arrastado pela vida.
     E essa mesma vida o cegou num momento extremamente importante, o momento em que ele queria ver, o momento em que aquilo que era, então, inteiro, desmoronou, o momento da morta da outra pessoa.

     "Palavras duras em voz de veludo e tudo muda. Adeus, velho mundo. Há um segundo, tudo estava em paz."
      Então, percebe que aquelas palavras tão doces e bonitas de seu(sua) amado(a), as quais antes ele não deu ouvidos, nem olhos, eram na verdade para dizer que não existia mais amor. O amor despede-se, e ele, que existia há um segundo atrás, não existe mais.
      Para um melhor entendimento, imagine a cena de alguém tentando por um fim num relacionamento. Essa pessoa começará usando um tom de voz amigável, dizendo coisas lindas, que o amor é lindo... No entanto, com o desenrolar da situação, a outra pessoa perceberá que aquela voz de veludo está ali para estabelecer um fim.
     Nesta parte, o eu lírico faz menção ao momento em que soube da morte de seu(sua) amado(a). Personifica-o e diz "Adeus, velho mundo!". E lembra que há um segundo, tudo estava em paz, ele(ela) ainda estava vivo(a).
     Para um melhor entendimento, imagine a cena de alguém que noticia a um marido a morte de sua mulher. A voz desse alguém será leve, serena, mas o que ela tem a dizer é duro demais, apesar de apresentar um voz de veludo.

     "Cuide bem do seu amor, seja quem for."
     E aqui está o conselho da canção: Cuide bem do seu amor, ou seu amor poderá acabar.
     E aqui está o conselho da canção: Cuide bem do seu amor, ou ele poderá não voltar pra você.

     "E cada segundo, cada momento, cada instante é quase eterno, passa devagar. Se o seu mundo for o mundo inteiro, sua vida, seu amor, seu lar, cuide tudo que for verdadeiro, deixe tudo que não for (verdadeiro), passar."
     Por fim, o eu lírico continua nos aconselhando. Diz que viver longe da pessoa que ama é ruim, que o tempo não passa e, se passa, passa devagar. Nos diz, num lampejo de sabedoria, que devemos cuidar de tudo que for verdadeiro no nosso relacionamento, como o amor que sentimos. E diz ainda que devemos esquecer aquilo que é falso, como a raiva momentânea que sentimos de vez em quando, pois isso poderá acabar desgastando o nosso relacionamento.
     Por fim, o eu lírico continua nos aconselhando. Diz que a saudade que sente do seu(sua) amado(a), que já se foi, faz o tempo passar mais devagar. E nos diz, para que não passemos pelo que ele está passando, que devemos dar mais valor ao que é verdadeiro em nossos relacionamentos, e esquecer as bobagens, implicâncias, besteiras, para que depois não bata o arrependimento.

     Um outro motivo pelo qual interpretei Cuide bem do seu amor em duas "versões" é o fato de eu mesma não estar totalmente convicta sobre escolher uma ou outra vertente de ideia. Mas a verdade é que ambas as versões têm em comum um ponto central: o fim de um relacionamento e o convite a "cuidar bem de quem se ama". Sob que situação se deu o fim desse relacionamento, cabe agora a cada um escolher entre as que citei ou criar uma outra situação.

Sobre a Autora:
Thamirys PereiraThamirys Pereira tem catorze anos, é aluna do curso integrado ao ensino médio de Controle Ambiental no IFPB e idealizadora do Blog Interpretação Pessoal.

Continue lendo sobre Thamirys Pereira ou Sobre o Blog Interpretação Pessoal.

# Compartilhar

    Blogger Comentario
    Facebook Comentario

4 comentários:

  1. Olá, de novo, Thamirys! Adoro essa música, também!
    Inconsequencias de um ato não planejado: como um beijo, uma palavra destruida a pessoa amada.
    Já na parte "Quando tudo ainda estava inteiro, no momento que desmoronou", eu acredito que ainda faça parte dos momentos de inconsequencias de um ato não planejado, já que ele fala do momento em que tudo acabou, deu-se um fim. Concordo contigo na linha vermelha, no caso da separação "física" do ser amado, já que faz mais sentido com a vida na qual o grupo estava passando, porém tenho medo de generalizar que ele traduziu toda a sua dor para a canção, acho o Vianna muito superior do que aquele que simplesmente tenta passar ao público a sua dor. Talvez por esse motivo, essa letra (por puro proposito) tenha duplo entendimento.
    Naquela frase "E cada segundo, cada momento, cada instante é quase eterno, passa devagar. Se o seu mundo for o mundo inteiro, sua vida, seu amor, seu lar, cuide tudo que for verdadeiro, deixe tudo que não for (verdadeiro), passar" Embora ache interessante a linha vermelha, não tenho concordancia no exposto, isso por que acho que a dor dele é algo que se prolonga, como se ele sofresse com a situação nessa parte: "E cada segundo, cada momento, cada instante é quase eterno, passa devagar". E na segunda frase, ele realmente afirma isso mesmo que vc diz: Devemos dar mais valor ao que é verdadeiro em nossos relacioonamentos.
    Desculpe ocupar tanta linhas no seu blog, hehe
    Bjs.

    ResponderExcluir
  2. Interpreta "Relicário".

    ResponderExcluir
  3. @Jose,
    Não precisa se desculpar, não. Adoro quando vocês opinam, discordam, concordam, enfim, expõem suas visões sobre a música.

    Eu também fiquei com muito medo de generalizar sobre essa música, principalmente por ela ter sido lançada no primeiro disco após o acidente no qual o Herbert perdeu a mulher. Muitos podem associar a música à ela. Mas isso não é uma certeza.

    No site d'Os Paralamas, estava claro que algumas canções do disco haviam sido compostas antes do acidente, mas não citam se essa era uma delas.

    ResponderExcluir
  4. @Anônimo,
    Não é a primeira pessoa a me pedir pela interpretação de "Relicário". Eu posso tentar, mas não garanto nada.

    Eu geralmente não me atrevo a interpretar as músicas do Nando Reis, pois ele é muito profundo em sua linguagem. Mas eu vou tentar, prometo.

    ResponderExcluir

-Todos os comentários estão sujeitos à moderação da administração do Blog Interpretação Pessoal;
-Para ter seu comentário publicado sem maiores problemas, recomendamos que leia a Política de Comentários do nosso blog.